Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11624/1719
Autor(es): Silva, Cindi Zago da
Título: Análise longitudinal das concentrações de 25-hidroxivitamina D, níveis pressóricos e adiposidade em idosos hipertensos.
Data do documento: 2017
Protocolo CEP: 5343 / janeiro de 2017
Resumo: Introdução: Estudos reportam uma elevada prevalência da deficiência de vitamina D em idosos hipertensos e a sua associação com os níveis pressóricos e a gordura visceral. Objetivo: Avaliar os níveis de vitamina D em dois períodos não consecutivos: 2014 e 2017, comparando a variação das concentrações de 25-hidroxivitamina D com os níveis pressóricos, adiposidade e o risco cardiovascular em idosos hipertensos, integrantes de um projeto de extensão universitária. Metodologia: Estudo transversal longitudinal analítico, com uma amostra de 24 idosos com idade igual ou maior a 60 anos, de ambos os sexos e com diagnóstico de hipertensão. Avaliaram-se os dados sociodemográficos, exposição ao sol, uso de proteção solar, fototipo de cor da pele, dados antropométricos e doseamentos em jejum de 25(OH)D, em dois períodos não consecutivos, 2014 e 2017. O grau de associação entre pares de variáveis e entre os períodos do estudo foi medido pelos coeficientes de correlação de Wilcoxon e teste exato de Fischer. Resultado: O valor médio de 25(OH)D foi de 31,98 ng/ml em 2014 e de 28,28 ng/ml em 2017, representando 50% e 70,8% de insuficiência entre os períodos, respectivamente. O excesso de gordura visceral no estudo pode ser considerado um importante indicador de risco cardiometabólico, em razão de permanecer elevado entre os períodos, e estar associado estatisticamente significante com a deficiência de vitamina D. Houve associação significativa negativa entre os idosos em excesso de peso e níveis mais baixos de 25(OH)D. Conclusão: Houve um aumento na prevalência da deficiência de vitamina D entre os idosos hipertensos nos períodos avaliados, bem como a diminuição de sua concentração, onde esteve associada ao aumento do risco cardiovascular e ao excesso de peso. Não houve associação significante entre os picos hipertensivos e níveis baixos de 25(OH)D. O monitoramento e o doseamento de 25(OH)D total por rotina, nos idosos com obesidade central, pode ajudar a identificar aqueles que estão em maior RCV.
Nota: Inclui bibliografia.
Instituição: Universidade de Santa Cruz do Sul
Curso/Programa: Curso de Nutrição
Tipo de obra: Trabalho de Conclusão de Curso
Assunto: Deficiência de vitamina D
Saúde do idoso
Hipertensão
Obesidade
Orientador(es): Wichmann, Francisca Maria Assmann
Aparece nas coleções:Nutrição

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Cindi Zago da Silva.pdf55.7 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir    Solicitar uma cópia


Este item está licenciado sob uma Licença Creative Commons Creative Commons